Exposição MUR/MUROS

 

AZEITE DE LEOS fez graduação e licenciatura na Faap/SP, desenvolvendo os projetos “Monotipias – Processo Criativo” (gravuras) e “Eu no Desenho”. Ingressou no pós-graduação estrito sensu na Faculdade Santa Marcelina, apresentando a dissertação mestrado com o tema “Narrativas Cotidianas”.

Pela FAAP foi selecionado para integrar uma residência artística “Cité Internacionale des Arts Paris”. Desde então, talvez por influência dos ares parisienses, passou a ser um caminhante das artes.

É que no século passado, circular com o ateliê nas costas e observar a cidade, o movimento, o tempo, os lugares, tal como um andarilho, era comum. Assim o fizeram Baudelaire e tantos outros no início do modernismo.

Como salienta o artista plástico e educador Joe Fusaro, os trabalhos de arte contemporânea apresentam combinações dinâmicas de materiais, métodos, conceitos e assuntos que desafiam concepções tradicionais e definições simplistas. Muitos artistas da atualidade enfatizam as possibilidades de expressão das diversas linguagens artísticas para além do compromisso com técnicas consagradas pela história da arte.

DE LEOS é artista e educador, professor do ensino médio e fundamental. Em razão disso, ele necessita de um olhar que transcenda o seu tempo, mas que, ao mesmo tempo, o mantenha sempre conectado ao presente.

Fazer educação como quem faz arte implica a disponibilidade de experimentar as próprias ações desenvolvidas em escolas, centros culturais e exposições: a consciência de que é preciso deixar de utilizar obras de arte apenas para ilustrar temas e conceitos, desenvolvendo-se uma postura ativa de pesquisa em relação aos processos artísticos e seus desdobramentos.

Em seus novos trabalhos que ora apresenta na Casagaleria e Oficina de Arte, DE LEOS, pensando nas constantes transformações e transitoriedade da urbe – e como essas transformações estão associadas às mudanças das relações entre as pessoas e o meio –realiza um estudo acerca dos resíduos urbanos, que simbolizam, na sua visão, as marcas da passagem do tempo e das transformações urbanas que acontecem cada vez mais rápido e de maneira desordenada.

Por essa razão, no contexto das relações das pessoas com a dialética das reconfigurações do espaço urbano e suas memórias, as rachaduras em muros, as manchas nas fachadas das edificações, os desgastes nas calçadas e os fragmentos de construções podem, segundo o artista, ser utilizados como forma de questionar as possibilidades de permanência e reorganização.

Esse é o sentido de MUR/MUROS, expressão que, contraída, gera o duplo sentido (murmuros), indicando as barreiras (muros) que dividem etnias, territórios, religiões, súplicas etc.

O acaso está presente em seu processo, com materiais específicos, vindos de uma leitura dos gravuristas. A monotipia dirige seu olhar para a prática cotidiana, na qual impõe-se encarar e dominar a realidade.

DE LEOS está na categoria do agir. A rigor, ele nunca sabe o que vai acontecer quando procede a descamação da parede. É nesse agir que a intencionalidade do artista se torna independente, porque resulta ações construtivas.

O acaso é apenas um dos seus elementos técnicos: ele desenvolve ainda a pesquisa das oxidações. Tal como nas gravuras em metal, as oxidações acontecem e o artista delas se apropria com muita maestria, encorporando-as em suas obras juntamente com vários tons do betume. Além disso, utiliza-se da cola que dá volume e faz emergir desenhos.

Por desenvolver experimentos de natureza híbrida, o artista ainda se dedica à fotografia e ao video como dispositivos para sua ações. Apesar da utilização de superfície tradicional (a tela e o papel), as gravações são únicas, sem cópias.

As tensões nos processos realizados por DE LEOS estabelecem ideias sobre o caos com deslocamentos de textura das paredes, estruturas dinâmicas em tons de betume e diferentes oxidações. Trata-se de um trabalho em transformação, um autêntico gesto inacabado.

Roseli Demercian. curadora de arte

 

mini bio do artista Azeite de Leos.

Participou do Programa de Residência Artística Cité Internacionale des arts Paris: pela Fundação Armando Alvares Penteado – FAAP em parceria com Cité Internacionale des arts em Paris. Realizou exposição individual “Entre Processos” na galeria Jaqueline Martins. Participou de diversas exposições, tais como: “Um livro sobre a morte” Museu Brasileiro da Escultura – MUBE, ABERTO 10 em Uberlândia – MG, “Programa de Exposições do Centro Cultural São Paulo” – SP, “Salão Luis Saciloto de Santo André” prêmio aquisição, “34° Anual de Arte da FAAP”, “4o Salão de Americana” prêmio revelação e a “Chapel Art Show”. Ilustrou revistas e livros infantis como a “Declaração Universal do Moleque Invocado” de Fernando Bonassi, “Historinhas Malcriadas de Ruth Rocha e “Ana está furiosa” de Cristine Nosthingler. Atua como educador em oficinas, instituições, escolas e palestras. Realizou trabalhos em setores educativos de museus e exposições temporárias como, SESC-SP, MAB-FAAP, Museu da Imagem e do Som (MIS), Itaú Cultural, e, desenvolveu trabalhos como supervisor e tutoria do curso de ensino a distância na formação de professores em arte contemporânea oferecido pela Fundação Bienal de São Paulo, Supervisão e assistência de educadores para Educativo da Fundação Bienal de São Paulo na exposição 30a Bienal de Arte de São Paulo. Integrou a equipe CE CEDAC realizando formações em artes nos projetos da instituição. Integrou a equipe de educadores do programa Fábricas de Cultura realizando ateliês de criação em artes visuais. Atualmente é professor de artes no 1o ano do Ensino Médio Técnico e do Ensino Fundamental II do Colégio Módulo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *